quinta-feira, 23 de março de 2017

No meu Ginásio #2

No outro dia entrei no balneário e vi uma velhota toda nua a secar-se com o secador. 

Dei uma chapada a mim mesma, não fosse ainda estar na cama a dormir e estar a sonhar com o balneário de um hospício, mas doeu 'pra cacete, por isso assumi que o que estava a acontecer era real. 

Fui à minha vidinha, mas não me estava a conseguir abstrair do que estava a acontecer e o meu terceiro ou quarto pensamento (não me façam revelar os primeiros) foi: "vá, não sejas rude Ana Catarina, provavelmente esqueceu-se da toalha e está a safar-se como pode". 

Observei-a um pouco melhor para esclarecer esta minha suposição, e dei de caras com um toalhão branco em cima da bancada. Não, não se tinha esquecido da toalha.

Por que raio estava ela a secar-se com o secador então?

Não tive a coragem (nem o direito) de lhe perguntar o que raio estava a fazer. Sei que fiz mal e arrependo-me muito; esta dúvida ainda me atormenta nos dias de hoje e tira-me horas de sono. Horas senhores, horas.

quarta-feira, 22 de março de 2017

As minhas Havaianas

Sabem os chinelos baratuchos que ao fim de um tempo começam a ficar gastos e começam a soltar-se? Claaaaaaaaroooo que sabem. Vocês são tão ou mais pelintras do que eu. 

Quando os chinelos se soltam, sabemos que estão perto do fim, mas ainda conseguimos aguentar mais um tempinho porque eles se soltam sempre de maneira a que consigamos encaixa-los novamente. Claro que não podemos fugir ao ligeiro momento de embaraço quando o chinelo se solta, que ainda por cima acontece sempre que vamos a desfilar cheios de estilo pelo paredão, mas é um problema que tem sempre solução.

Ora, porque é que isso não aconteceu com as minhas havaianas? Porque é que as minhas Havaianas, que ainda por cima eram ultra giras e tinham vindo directamente do Brasil, não só se soltaram, como acaba por acontecer a todos os chinelos deste género, como ainda se partiram? Porquê, Porquêêêêêêê? Estão a ver aquela rodinha que vocês encaixam no buraquinho? Pois é; já não há rodinha para ninguém, partiu-se ao meio. Tal como o meu coração. 

Deixem-me. Eu fico bem.

terça-feira, 21 de março de 2017

No meu Ginásio #1

A maior parte da malta que compra t-shirts com mensagens, está a borrifar-se para a forma como as usa ou se se identifica sequer com a mensagem que a t-shirt quer passar.

O rapaz do meu ginásio que mede 1.30cm e que decidiu levar uma t-shirt de alças cor-de-laranja fluorescente, com um decote em V até aos mamilos, identificou-se claaaaaaaaramente com a mensagem que a t-shirt queria passar: 

TAKE RISKS!

segunda-feira, 20 de março de 2017

Fim-de-Semana em Évora







No Jardim Público de Évora








 No Centro Histórico de Évora


A Universidade de Évora 



(Esta fotografia vai levar uns toques e vai ser emoldurada. Gosto muito dela)


Em Arraiolos 




Em Nossa Senhora de Guadalupe




As fotos não têm edição porque (ainda) sou uma leiga no assunto, mas não queria deixar de as partilhar. A minha próxima escapadinha vai ser a Vila Nova de Milfontes com a senhora minha Mãe.

Alguém tem sugestões?  

quinta-feira, 16 de março de 2017

O Pequeno-Almoço dos Hotéis

Uma vez que é quase hora do lanche (pelo menos para mim), vamos falar do pequeno-almoço dos hotéis? 'bora lá.

Só tenho duas palavras para os  descrever: VALE TUDO!

Tenho a ligeira impressão que toda a gente se transforma num ogre esfomeado quando entra na sala do pequeno-almoço do hotel. Claro que entram todos com um ar super tranquilo e descontraído, a arrastar os pézinhos, como se não tivessem fome por aí além e se estivessem a borrifar para as sete mesas carregadas de comida que têm à frente. No entanto, lá no fundinho, todos sabem a noite miserável que tiveram: passada em branco, a olhar para o relógio, e a magicar o que os aguardava lá em baixo no dia seguinte. Pelo menos comigo é isto que acontece, e não tenho vergonha de o admitir.

No pequeno-almoço dos hotéis vale tudo: vale comer 4 brioches mistos com manteiga, intercalados com uma taça de cereais e empurrados para baixo com um sumo de laranja. Como se essa quantidade astronómica de comida não fosse suficiente, ainda sentimos um ratinho no estômago e ainda aviamos mais duas torradas com doce de pêssego, que fazemos descer com um cappucino e tapamos com uns ovos mexidos com cogumelos. Como temos de chular a coisa ao máximo, ainda nos levantamos mais uma vez para cortar uma fatia fininha de bolo de laranja, que acompanhamos com um bocadinho de doce de amora.

Ali naquela sala é perfeitamente aceitável comer duas salsichas acompanhadas com uma tigela de leite com Chocapic. Em casa isso seria impensável, verdade? Ali podemos. Ali ninguém nos vai julgar porque estão todos demasiado ocupados a pensar no que vão comer a seguir. No meu caso, nunca me passaria pela cabeça comer cereais com sumo de laranja ao pequeno-almoço. Não por causa das calorias e dessas merdas fit a que eu não ligo nenhuma, mas porque no meu cérebro essa conjugação não funciona. Mas ali, naquela sala que se apoderou de mim e exerceu um poder inexplicável, dei por mim a transformar-me numa libertina e a misturar não uma, mas duas variedades de cereais, com sumo de laranja.

O meu namorado foi uma das pessoas que também se transformou. Não em ogre, porque já o é, mas em esfomeado. Quando saltei da cama cheia de energia, e o obriguei a despachar-se para irmos tomar o pequeno-almoço gritou-me um: 

"TU ÉS MALUCA? COMER A ESTA HORA? AINDA AGORA ACORDEI E JÁ VOU COMER? ÉS DOIDA." 

Como quem manda na relação sou eu, passados 20 minutos estava lá em baixo. Contrariado, mas estava. Entrou na sala com um ar de desdém estampado no rosto, mas bastaram 7 segundos para que se convertesse. De pessoa que não come nada, passou para pessoa que come 5 brioches com marmelada, marmelada com marmelada (sim), duas taças de café com leite, ovos mexidos e uma carcaça com manteiga e queijo.
 
Há quem goste de guardar no coração a memória de um abraço, de um beijo, de umas palavras bonitas.. eu gosto de parar no tempo e lembrar-me do pequeno almoço maravilhoso que tive no sábado. 

Sou só eu? Também são assim? Contem-me tudo.